HomeMenu

A ciência não pode dar certezas

A ciência generaliza sempre

Cientista a observar uma experiência

Um cientista segura uma maçã na sua mão. Vê que, se afastar a mão, a maçã cai.

Experimenta com uma pedra e vê que ela cai, experimenta com um pedaço de madeira e acontece o mesmo....

Experimenta com muitos materiais diferentes e vê que caem sempre.

Com base nestas experiências, generaliza e diz: "A Terra atrai TODOS os materiais" (isto é uma teoria: algo que um cientista afirma com base em observações).

Não testou com "todos", porque é impossível, não pode deixar cair todas as pedras da Terra. Fez apenas um certo número de experiências que considera suficientes.

A ciência (exceto a matemática, que é a razão pela qual se chama "ciências exactas") nunca diz que "tal teoria é verdadeira", porque é impossível prová-la. Diz apenas "com base nas experiências que fizemos, e com base nos nossos conhecimentos, esta teoria é verdadeira".

Mas amanhã pode aparecer:

(Ver explicação abaixo).

Exceto na matemática, a ciência é sempre um campo de batalha.

Um campo de batalha entre a verdade e a mentira, sem um vencedor claro e seguro.

Exceto na matemática, onde a verdade é demonstrada de forma segura e irrefutável, no resto das ciências não é assim, porque são ciências "experimentais", ou seja, descobrem mais ou menos verdade consoante o esforço, o conhecimento e a vontade que se põe nas experiências. Ou seja, (e é evidente), não nos podemos contentar com 20 estudos que afirmam que comer atum é bom para a calvície, porque também temos de saber quem financiou esses estudos, quantos carecas foram testados, durante quanto tempo, etc. Um exemplo disso é a falta de fiabilidade dos estudos médicos, como denuncia o Dr. Gérvas.

Outras dificuldades enfrentadas pela ciência

Seres vivos ou mortos

As ciências que lidam com seres vivos (agricultura, medicina, veterinária, psicologia, sociologia,...) têm mais dificuldade em elaborar teorias verdadeiras porque os seres vivos são muito mais complicados do que os seres mortos.

Teoria: "Ao comer tal coisa ácida, tornamos o nosso corpo mais ácido". Mas acontece que o sumo de limão, bem ácido, todos aceitam que faz o contrário.

Acontece que as bactérias do solo são capazes de fazer transmutações de elementos químicos (à temperatura ambiente), o que ninguém sabe como acontece, mas está provado que acontece (como demonstrou Kervran).

Há pessoas que, inexplicavelmente para a ciência, vivem sem comer, levitam, conseguem ver com os olhos tapados,...

Há aparelhos que, inegavelmente, funcionam, mas que a ciência oficial não sabe como, como este aparelho contra a humidade nas paredes.

Veja também " as maravilhas que o corpo é capaz de fazer", não se sabe como. Ou " morte cerebral não é morte". Ou como sobreviveram, e sem lesões cerebrais aparentes, os cães que Quinton (e outros investigadores mais recentes), sangraram completamente ao ponto de abolir o reflexo pupilar; porque durante um certo tempo ficaram sem sangue ou glóbulos vermelhos (que teoricamente são os que transmitem o oxigénio ao cérebro).

Material ou imaterial

As teorias que se referem a coisas materiais são mais fiáveis do que as que falam de coisas imateriais.

Quando Hamer diz: "Sempre que há uma mancha na TAC do cérebro em tal sítio há tal doença", é uma teoria que pode ser facilmente verificada se é verdadeira ou não. Quando diz: "Sempre que há uma mancha na TAC cerebral em tal e tal sítio, há tal e tal choque emocional", bem, é mais difícil de provar. Fez algumas correlações doença / choque psíquico com base em entrevistas com os seus pacientes. Mas, como psicólogo, pode enganar-se e ver no doente algo que não existe, tal como o doente é capaz de se enganar a si próprio e não ver dentro de si algo que existe ou ver algo que não existe. É mais difícil enganar-se ou ser enganado por coisas materiais.

Curto / longo prazo

Devido à dificuldade óbvia, é muito difícil para a ciência encontrar teorias que abranjam acontecimentos muito distantes no tempo. "Você tem glaucoma porque comeu muita alface em criança" (uma teoria muito difícil de elaborar). Quando os telemóveis (telefones celulares) apareceram, é evidente que não foi há 50 anos que se provou que não eram prejudiciais para as pessoas a longo prazo. Foram colocados no mercado assim que quiseram.

Quando observamos, alteramos

Outra dificuldade que a ciência tem em desenvolver teorias verdadeiras é o facto de ser impossível observar algo sem o alterar mais ou menos. (Como é difícil para os naturalistas habituar os animais à sua presença, às suas câmaras, etc.) Não dizemos a mesma coisa em privado do que quando uma câmara nos está a gravar. (Mesmo as partículas materiais são alteradas quando as observamos - princípio de Heisenberg).

Seleção de experiências e factores importantes

O cientista, ao elaborar uma teoria, nunca tem a certeza de não se esquecer de um fator importante. Além disso, para testar a validade da sua teoria, pode escolher involuntariamente certas experiências que não a refutam e que, se tivesse escolhido outras, a refutariam, porque talvez estas últimas tivessem mais relevância para o fator de que se esqueceu. Um exemplo hipotético: um cientista elabora uma teoria, hipótese: "quanto mais leite, piores são os ossos". Para a testar, segue a vida de 1000 pessoas e vê que ela corrobora a sua teoria. Mas talvez este cientista tenha seguido a vida de 1000 mulheres tratadas com quimioterapia. Se tivesse estudado 1.000 pessoas sem este tratamento, talvez a sua teoria não tivesse sido corroborada. Para além do erro na escolha das pessoas a estudar, talvez (de certeza) seja o açúcar que as pessoas colocam no leite que é prejudicial para os ossos. Um fator que se esqueceu e que pode ser mais relevante do que aquele que escolheu.

Dificuldade

Como já vimos anteriormente, quando se fala da forma como a ciência elabora teorias, é muito mais fácil demonstrar que algo é falso (basta encontrar uma experiência que não cumpra a teoria), do que demonstrar que algo é verdadeiro. Esta última só pode ser feita pela matemática. Pelo que foi dito no início, o resto das ciências apenas elaboram teorias mais ou menos verdadeiras, nunca 100% verdadeiras. Em qualquer domínio, é muito mais fácil descobrir uma mentira do que encontrar a verdade (pode apanhar um mentiroso antes de apanhar um coxo).

O que a ciência não pode fazer

Impossibilidade 1

A ciência é incapaz de dizer o que está num lugar (por exemplo, no ar de uma sala). Pode dizer (com muito esforço) a composição em elementos químicos básicos (cerca de 100), mas é impossível encontrar as substâncias compostas (que são inúmeras). Isto porque não existe uma "peneira" através da qual o cientista passe o ar e veja "o que resta nele". O cientista tem de fazer uma experiência diferente para cada tipo de elemento químico ou substância composta que quer detetar. Uma tarefa sobre-humana. Além disso, pode saber a partir da amostra que recolheu, mas não a partir de todo o ar da sala.

Éimpossível dizer: "isto está livre de contaminantes". Só pode dizer: "isto está livre desta lista de poluentes que analisámos". A título de exemplo, o Dr. Roger Hodkinson diz no seu sítio Web que "é filosoficamente impossível provar que 'algo' não está presente".

Impossibilidade 2

É mais fácil provar que algo "é". É mais difícil provar que algo "não está". "fulano roubou." É humanamente viável, fácil, encontrar alguns factos que o provem. "fulano não roubou." Impossível de provar se não tivermos provas de todos os instantes da sua vida adulta. "Os telemóveis - telefones celulares - são prejudiciais". Seria possível prová-lo. "Os telemóveis - telemóveis - não são prejudiciais". É impossível prová-lo, porque há inúmeras formas de o fazer e, além disso, afectando seres vivos, dos quais sabemos muito menos do que sabemos dos materiais mortos.

O que não é ciência

Teorias que não podem ser provadas nem refutadas: "Hoje está a chover porque os marcianos abriram a torneira", "o arco-íris aparece porque os pássaros gostam". Por muito bonitas que sejam, não são ciência.

Erros que os bons cientistas não cometem

Conclusões / teorias precipitadas

Os cientistas não costumam cair neste erro, mas nós caímos muitas vezes: porque vemos que uma coisa acontece depois da outra, acreditamos que a primeira é a causa da seguinte. Isto pode ou não ser verdade. Mas, sobretudo, quando lidamos com seres vivos, há muitas hipóteses de nos enganarmos. Os cientistas fazem muitas experiências antes de afirmarem qualquer coisa, nós, com apenas uma experiência, atrevemo-nos por vezes a afirmar algo. Por exemplo: "Este adubo foi bom para as plantas porque cresceram mais do que no ano passado" (talvez por outras razões, como mais chuva); "Este remédio foi bom para mim" (talvez tenha ficado curado apesar do remédio, e se não o tivesse tomado teria ficado curado mais cedo).

Aceite os resultados que corroboram a nova teoria e esqueça os que não corroboram

"Este remédio curou fulano, de certeza que também me vai curar a mim". Talvez nos esqueçamos (ou não conheçamos) de muitos outros que "não se deram bem" e perderam um tempo precioso ou até mesmo foram prejudicados, ou talvez tenham sido prejudicados a longo prazo e não observaram ou relataram.

Advertência importante

Com todas as dificuldades que a ciência tem em encontrar a verdade, não quer dizer que não tenhamos de procurar a teoria mais verdadeira, que tenhamos de aceitar teorias claramente falsas. Procuremos a verdade (só ela nos libertará, a mentira escraviza-nos). Tenhamos o cuidado de não aceitar falsas teorias que amplificam as inevitáveis dificuldades da ciência para encobrir os seus fracassos, com frases como "cada caso é um mundo", "somos todos diferentes", "ninguém é perfeito",.... E vamos entender a parte da verdade e da mentira que frases como: "cientificamente comprovado", "livre de contaminantes", "sem efeitos colaterais", "serve como prevenção",...

Eis o que diz a Universidade de Salamanca

(Falando do que é e pode fazer uma teoria física): "E este é o grau de conhecimento do mundo que podemos esperar das teorias físicas, aquele que podemos esperar utilizando os meios e capacidades de que o homem dispõe; que são a razão, a lógica, a matemática, a observação .... Não podemos, portanto, dizer que estamos a descobrir exatamente o mundo real, o seu funcionamento, embora seja essa a nossa intenção. Nunca podemos ter a certeza se chegámos ou não à descrição completa, mesmo nas partes do nosso conhecimento que consideramos mais seguras. Porque nunca temos a certeza de que as nossas personagens inventadas, os conceitos físicos cujas propriedades são as teorias físicas, se assemelham exatamente aos objectos reais que queremos descrever. É por isso que muitas pessoas já nem sequer se interrogam sobre a verdadeira realidade. Basta-lhes saber até que limites uma teoria física descreve a realidade percebida, até que limites podem usar uma teoria física para prever o comportamento da parte do mundo que fingem conhecer com ela." (Fonte)



Aqui (no final das páginas) informamos sobre as alterações efectuadas neste site.

Direitos de autor e informações legais