HomeMenu

A malária é a gripe

É o que afirma um médico que vive numa zona endémica de malária e que o pratica com a sua família e consigo próprio.

Além disso, é bastante razoável o que diz, porque quando duas doenças têm os mesmos sintomas e tratamento, o mais lógico é pensar que são a mesma coisa.

Objeção: E tudo o que a medicina oficial diz sobre a culpa do mosquito?

Lembre-se do que disse o Dr. Gérvas (professor em várias universidades famosas): "90% das pesquisas publicadas em medicina são falsas". (Fonte).

E se interpretarmos corretamente os seus sintomas (de acordo com as conclusões do Dr. Hamer), sabemos que se trata de um processo de recuperação, porque todos eles são sintomas da fase de cura. E, portanto, como em qualquer fase de recuperação, só é necessário intervir com medicamentos em casos raros e graves, em que a vida do paciente está em perigo.

Abaixo está o índice e o prólogo do livro "A la découverte de l'utilité du paludisme", do Dr. Bahié. Pode adquiri-lo em vários sítios. Para o encontrar, pode procurar o título na Internet (preço 75 €).

Livro: "A la découverte de l'utilité du paludisme" (descubra a utilidade do paludismo)

Autor

O Dr. Richard Péguy Bahié nasceu a 12-10-55, filho de pai e mãe lavradores. Era o único filho de uma família de cinco filhos. Tímido e calado, recebeu a sua educação de uma mãe dura que o forjou naquilo que é hoje. Hoje, é o pioneiro e único higienista profissional de África e autor de vários livros sobre a saúde através da alimentação.

Verso da capa

Através deste breviário, gostaria de fazer com que o mundo inteiro, e especialmente as pessoas dos trópicos, compreendessem que o paludismo não é nada perigoso. Afinal de contas, o paludismo não é mais do que um conjunto de reacções de defesa do organismo. Pelo contrário, a malária é uma grande ferramenta com a qual o corpo humano se livra de substâncias tóxicas provenientes de alimentos conceptuais, medicamentos, etc. Por outras palavras, tudo o que altera a energia nervosa do corpo. Respeitar o curso das reacções de defesa contra o paludismo é uma salvação. O organismo vivo precisa delas para se purificar. Em condições de nutrição não específicas da raça humana, um organismo humano que já não é capaz de criar o paludismo é um cadáver. É um organismo que perdeu toda a capacidade de defesa e que está entregue a si próprio. A população da zona tropical precisa urgentemente de saber que a malária não tem nada a ver com o mosquito, ou que o mosquito não é a causa da malária. O corpo humano utiliza o paludismo para recuperar a sua saúde, ameaçada pelos venenos quimio-culinários.

Conteúdo e preâmbulo

Primeira parte

Capítulo 1 O que é o paludismo?

Capítulo 2 Sintomas possíveis do paludismo

Capítulo 3 O paludismo, outra dádiva de Deus

Capítulo 4 Causas do paludismo

Capítulo 5 Outros factores agravantes

Capítulo 6 Porquê dois tipos de paludismo?

Capítulo 7 A luta contra o paludismo

Capítulo 8 O pobre mosquito

Capítulo 9 A fobia do mosquito é ridícula

Lição 10 Os habitantes dos países tropicais continuam a ter medo dos mosquitos

Capítulo 11 O poder curativo

Capítulo 12 A única cura para a malária

Capítulo 13 Uma convicção imutável

Lição 14 Quando a ignorância faz estragos

Capítulo 15 Sem falsidades

Segunda parte

A- Um despertar de consciência. Um mundo entregue a si próprio.

B- Do discurso à prática

C- O paludismo: os diferentes casos

D- Sejamos claros.

E- A saúde é um reflexo da pureza humoral, não da vacina.

Terceira parte

F- Ao serviço da vida

G- Os riscos da supressão artificial

H- Factores que conduzem a complicações fatais

I- A vacinação: uma ilusão de lucro contra a saúde e a vida

Quarta parte

J- A malária: um flagelo sem solução?

K- O poder do corpo humano

L- O paludismo, um teste à capacidade intelectual

M- A erradicação do paludismo

Preâmbulo

É melhor tentar compreender do que acreditar de olhos vendados e ouvidos tapados. Esta lógica não agrada às pessoas dos trópicos.

Preferem acreditar, é mais fácil: compreender exige esforço.

É por isso que toda a gente inventa o que pode, apresentando-o como um anjo do céu. Põem toda a sua fé nisso e agarram-se com força.

Aprendem de cor e recitam todas as coisas ridículas em que baseiam toda a sua existência, esperando que o céu lhes envie a grande felicidade até que a miséria causada pela malária os leve.

Tudo é feito para os adormecer o mais possível.

É uma visão revolucionária do paludismo que tenho o prazer de propor ao grande público, para o bem destas populações.

Este livro é o fruto de anos de trabalho minucioso: experiências práticas em seres humanos. As primeiras cobaias deste trabalho são a minha família: os meus filhos, a minha mulher e eu próprio, com muita paciência.

Descubra neste livro como a higiene vital apresenta uma abordagem alternativa de rara eficácia e oferece soluções simples e práticas para o problema da malária.

Os medicamentos habituais não resolvem o problema do paludismo, mas camuflam-no e deslocam-no: não o curam definitivamente, mas simplesmente mascaram os sintomas.

* Quais são as verdadeiras causas da malária?

* Devemos continuar a culpar o mosquito?

* Quais são os melhores tratamentos naturais para a higiene vital?

Esta obra responde a estas questões. As estatísticas e as promessas com trombetas e fanfarras não são a solução para o problema.

Assim, para o corpo humano, o paludismo é uma droga que liberta voluntariamente para a sua própria sobrevivência e bem-estar. Se tratar uma "droga" com uma droga, só colherá desolação.

Acredite em mim, o corpo humano não o seguirá em nada que vá contra a sua vontade.

Se tratar o paludismo, ou o indivíduo morre subitamente, porque agiu contra a vontade do organismo, como é mais frequente, e os profissionais de saúde não são poupados, ou o indivíduo, cuja resistência vital ainda é boa, fica com cancro ou outra doença crónica, da qual o organismo vivo inteligente gostaria de se livrar se você o deixasse, porque só ele é suficientemente qualificado para se restabelecer.

Nem um único sintoma de paludismo põe em risco a sua vida

A perigosidade do paludismo difundida pelo público, e continuamente propagada por boatos, nunca é provada num livro vendido nas livrarias, com demonstrações baseadas na fisiologia.

Nunca nos vão dizer a verdade sobre o paludismo... Não devemos esperar nada da comunidade científica mundial. Os rumores manter-se-ão sempre vivos. Cabe-nos a nós abrir os nossos próprios olhos, e não os olhos emprestados.

Honre a mentira

* Deus criou a humanidade com toda a verdade e sinceridade. Infelizmente, a maioria dos seres humanos sofre de mentira, ignorância e crença cega, porque não procura conhecer a verdade.

É verdade que, para a maioria dessas pessoas, tudo o que acontece é a verdade. Mas quando não obtém o resultado que procura, pensa de novo e faz perguntas. Esta maioria da população vive da mentira, que aclama. Nunca se questiona se o que se diz e pratica sobre o paludismo é verdade. Consome todos os derivados da mentira criminosa sem pensar duas vezes.

* É bom saber. A mesma prática dá sempre o mesmo resultado

Ninguém pára para pensar se estamos no caminho certo, e pensamos que temos de fazer o que todos fazem para estar na moda e não parecermos ridículos. Por isso, aqueles que exploram a mentira banham-se diariamente na opulência.

Capítulo 1: O que é a malária?

Definição

O paludismo é o conjunto de reacções orgânicas de defesa que o organismo humano de um indivíduo da zona tropical cria para se livrar, num dado momento, da matéria anormal acumulada.

A este respeito, o paludismo é a "doença" mais útil, porque contém em si várias "doenças" úteis, ou seja, várias manifestações de auto-purificação. O organismo decide limpar-se ao mesmo tempo, por várias vias possíveis.

Não podemos continuar a contentar-nos com a ideia preconcebida de que o mosquito é a causa da malária.

Chegou o momento de remarmos contra a maré para nossa salvação.

A luta contra a malária é um erro grave. Seria mais digno lutar contra o pensamento único, o complexo de inferioridade, a confiança cega, a ignorância, etc. etc.

Com toda a gente tão convencida de que é o mosquito que dá a malária, ninguém quer olhar para o outro lado.

E, no entanto, continuam a morrer pessoas (uma a cada 30 segundos), apesar das campanhas de todos os tipos organizadas aqui e ali contra os mosquitos.

Na boca de toda a gente, é: mosquito = malária e cura = medicamento.



Aqui (no final das páginas) informamos sobre as alterações efectuadas neste site.

Direitos de autor e informações legais