HomeMenu

Sem check-ups, sem rastreios de saúde, sem tratamentos médicos (geralmente excessivos)

(Sem mamografias, sem auto-exame da mama, sem vacinas, sem cirurgia do cancro, sem quimioterapia, sem rádio, ...)

(Riscos e perigos de doar sangue, fazer "check-ups" ou ir a um hospital, mesmo às urgências)

No final, há excertos de artigos sobre o Dr. Kondo Makoto (best-seller no Japão em 2013) que recomenda não fazer exames de rastreio precoce do cancro, nem fazer quimioterapia, rádio ou cirurgia (em 90% dos casos). O médico morreu em 2022, subitamente, quando ia a caminho do trabalho, aos 73 anos (RIP). De acordo com este estudo, os seus livros foram a causa do facto de, no Japão, os exames de controlo do cancro serem metade dos realizados noutros países.

Veja todos os artigos do Dr. Juan Gérvas (antigo professor em várias universidades) neste site (O site ActaSanitaria.com já não existe, só pode ser acedido através do archive.org, indicando o link pretendido). Veja o seu excelente curriculum vitae aqui. (Atenção: não conhece as descobertas de Hamer. Se as conhecesse, perceberia porque surgem os cancros e como são nocivos e inúteis os seus tratamentos convencionais).

Artigos seleccionados da sua autoria:

"Milhões de mulheres são tratadas como doentes de cancro da mama falsamente, por sobrediagnóstico, por causa da medicina científica".

(sobrediagnóstico é quando nos dizem que temos algo e não é verdade).

(Se o Dr. Juan Gérvas conhecesse as descobertas do Dr. Hamer, compreenderia que mesmo os diagnósticos correctos têm de ser abordados de uma forma completamente diferente, com expectativas de evolução completamente opostas às habituais).

"Milhões de homens incontinentes e impotentes devido aos tratamentos dos urologistas atribuindo-lhes falsamente cancros da próstata, devido ao sobrediagnóstico." (Fonte: incontinentes devido a falsos cancros da próstata com PSA... )

"90% da investigação publicada em medicina é falsa." (Fonte: medicina como ciência...)

"Fazer o auto-exame da mama é prejudicial" (Fonte: auto-exame da mama prejudicial)

Citologia cervical? Não, obrigado (Fonte: citologia cervical prejudicial)

Mamografia? Não, obrigado. A mamografia não acrescenta nada de bom à vida de uma mulher. (Fonte: mamografia não, obrigado)

Vacina da gripe? Não, de modo algum. (Fonte: nunca tome uma vacina contra a gripe)

O diagnóstico precoce do cancro do ovário prejudica gravemente a saúde. Diga não ao rastreio do cancro do ovário (Fonte: diagnóstico precoce inútil e prejudicial).

Falar dos registos informáticos e da sua consulta por razões extra-médicas:

"Para evitar este tipo de bisbilhotice, que é criminosa, as autoridades e as figuras populares são tratadas sem registos médicos electrónicos e sem deixar rasto." (Fonte: o doente...)

Doar sangue

Quando doamos sangue, é habitual fazer-se um "teste de SIDA" ao sangue recolhido. Com isto, a única coisa que conseguimos é correr o risco de nos dizerem que "somos seropositivos" e que, se não soubermos a verdade sobre a SIDA, levaremos um grande susto.

Para além disso:

Doação de órgãos

"Um grupo de cientistas consegue definir o que significa realmente 'estar morto'" Fonte: ABC 2019.

O título não condiz com o conteúdo e mostra justamente o contrário: acredite ou não, não é claro quando alguém está morto. O artigo termina com a frase: "um subconjunto de dadores de órgãos, aqueles cuja morte é declarada cinco minutos após o início da ausência de pulso, não estão mortos porque a sua situação pode ser revertida com intervenção médica".

Há pessoas com "morte cerebral" que vivem com aparelhos durante muito tempo ou até completam a sua gestação: "Nasceu um bebé de uma mulher que tinha estado em morte cerebral durante 15 semanas" (Fonte ABC).

Fazer um check-up

Vá fazer um check-up, é grátis! (É pago pela mútua de seguros, pela Segurança Social,...)

Ah, sim.

Nos check-ups, somos submetidos a análises que dão resultados que se comparam com uma norma do que os médicos consideram "saudável" ou "indica uma doença":

Os resultados da análise não são como as flores do jardim: "esta é mais alta, por isso corto-a; esta é mais baixa, por isso ponho-lhe adubo".

Os resultados, todo o nosso corpo, estão relacionados. Não podemos "tocar" apenas numa coisa e não fazer com que as outras sofram:

Se, numa escola, operarmos os mais altos para lhes encurtar as pernas, conseguiremos que tenham uma altura "normal", que usem camas de tamanho "normal", etc., mas ficaremos sem equipa de basquetebol.

(Chamamos "check-ups" não só às análises ao sangue ou aos raios X, mas também aos exames para "detetar" o cancro do cólon, às mamografias para o cancro da mama, ao PSA para a próstata,...).

Exceção: os olhos

De Hamer sabemos que, em geral, todos os sintomas marcantes e incómodos do organismo são sintomas de uma fase de reparação: comichão, inflamação, febre, muco, dor,....

Isto também é verdade no caso dos olhos mas,... mesmo que Hamer tenha dito que estamos na fase de reparação:

  1. Hamer pode ter-se enganado ou podemos estar a aplicar mal a nós próprios o que Hamer diz.

  2. A fase de reparação pode ser tão longa, dolorosa e difícil de completar que não é conveniente "deixar o corpo fazer", e temos de intervir.

Por exemplo: Hamer diz que os descolamentos de retina ocorrem em ambos os olhos ao mesmo tempo. Isto é falso ou não é o que normalmente acontece. Também diz que são "sintomas temporários, de cura positiva, que desaparecem por si próprios". Isto pode ser verdade em alguns casos, mas as consequências de não ser verdade no nosso caso são importantes.

Recomendação: ao primeiro sintoma anormal nos olhos (não miopia ou coisas do género)... vá rapidamente ao médico. Ou faça check-ups regulares.

Vacinas

Uma Dra. expulsa da Segurança Social em Espanha por informar os doentes. Explica os malefícios das vacinas, em particular da hepatite B; relata como os recém-nascidos são vacinados sem informação ou consentimento dos pais,...

A Dra. Tetyana Obukhanych, doutorada em imunologia pela Universidade Rockefeller de Nova Iorque, com pós-graduação na Universidade de Harvard, explica que no Canadá houve uma epidemia de sarampo que afectou muitas pessoas vacinadas e que, por isso, os não vacinados não representam qualquer perigo para os outros. Que há doenças que podem ser contraídas mesmo que esteja vacinado contra elas. Que isto não lhe foi explicado no seu doutoramento em imunologia, apesar de ser um facto publicado. Fonte: este artigo e este vídeo.

O Dr. China Brandolino explica nestes vídeos como as vacinas são utilizadas na Argentina (e noutros países) para tornar as pessoas doentes (autismo,...) ou para esterilizar a população.

Vídeo completo (apenas áudio)

Extrato (vídeo) do anterior onde explica como as mulheres são esterilizadas com uma vacina na infância.

A sua denúncia é muito mais grave do que a do Dr. Juan Gérvas, que adverte contra algumas vacinas:

"Há vacinas e vacinas. Há vacinas essenciais "sistemáticas" (difteria, papeira, poliomielite, rubéola, sarampo, tétano, tosse convulsa) e vacinas "ocasionais" (hepatite, febre amarela e raiva, entre outras). E há vacinas supérfluas, algumas desnecessárias e outras, ainda por cima, 'de risco'." Fonte: El Mirador: Ata Sanitaria

O Dr. relata não só o quanto as vacinas são desnecessárias (rubéola), mas também que elas servem para inocular as pessoas com as mais variadas coisas.

Dar à luz num hospital

Tem os mesmos riscos que "fazer um check-up", agravados pela alteração emocional do momento e por estarmos num local dominado pela "medicina" oficial.

As técnicas de medição para detetar medidas do bebé fora dos limites considerados normais estão a avançar muito e o conhecimento do corpo humano também está a diminuir muito, pelo que é de esperar que cada vez mais diagnósticos de "doenças" sejam feitos à nascença.

Veja também o que é dito na secção "vacinas" sobre a vacinação à nascença.

Ir às urgências

"Ir às urgências é entrar num labirinto muito perigoso, quase o labirinto mais perigoso do sistema de saúde." (Fonte: Dr. Juan Gérvas )

Porquê?

(Obviamente que tudo isto não se refere a quando alguém que acabou de ter um acidente é levado às urgências).

Vá sempre ao médico acompanhado

É muito conveniente ir ao médico sempre acompanhado. Há alturas em que os médicos pedem aos doentes que tomem decisões rápidas. Se formos duas pessoas, então seremos duas pessoas a pensar e tomaremos uma decisão melhor. Nestes casos, a lentidão é uma qualidade. "A pressa é má conselheira".

Deve ser claro para o doente que há muitosmédicos "especialistas"que usam o seu crédito para injetar medo na população, de modo a que muitas pessoas saudáveis vão ao médico e se tornem doentes. A pessoa saudável transformada numa pessoa saudável preocupada, ou mesmo numa pessoa doente imaginária, entra em contacto com o médico e torna-se um doente.

Ser paciente tem benefícios quando o médico é competente, honesto e prudente. Noutros casos, pode causar danos graves, abrindo as portas do inferno da saúde do excesso de testes e de tratamentos, aquilo a que chamamos o "efeito cascata", que arrasta o doente da saúde até ao cemitério." (Artigo do Dr. Gérvas)

Não ir ao médico

Pode acontecer-nos o mesmo que aconteceu a esta mulher quando o médico mandou a polícia a sua casa para a obrigar a fazer uma operação (para forçar o parto). Fonte: este jornal).

Não se submeta a uma intervenção cirúrgica sem uma razão inevitável

Há alturas em que não tem outra opção senão ser operado. Mas se não estivermos numa delas e tivermos outras opções, embora talvez menos atractivas, é melhor não ser operado. Por exemplo: fazer uma operação aos olhos para não usar óculos. Há uma associação de pessoas afectadas por estas operações com a denúncia de uma testemunha de como estas operações foram aprovadas de forma fraudulenta pela FDA.

O que o Dr. Kondo Makoto recomendou (ele não conhecia Hamer)

(evite a quimioterapia, a rádio e a cirurgia para tratar o cancro).

Alertou para os erros da medicina oficial (e por isso recomendou que a evitassem em 90% dos casos), mas ficou a meio caminho, sem saber porque é que os cancros surgem e, consequentemente, o que é que o doente tem de fazer para se curar (descobertas de Hamer).

Veja abaixo uma seleção de artigos sobre o Dr. Makoto, que publicou mais de 20 livros e dezenas de milhões de livros vendidos no Japão.

Dr. Kondo Makoto Artigo 1

Doutor Kondo Makoto Uma publicação oficial japonesa (ver citação abaixo) diz:

No Japão, o livro mais vendido em 2013 foi um do Dr. Makoto Makoto ("47 Reasons to Stop a Doctor from Killing Us"):

"Um médico especializado no tratamento radiológico do cancro no hospital de uma famosa universidade privada afirma que é necessário que os doentes se afastem dos tratamentos e medicamentos realizados nos hospitais se quiserem ter uma vida longa e saudável. Um livro estimulante que rejeita os pontos de vista até agora aceites".

Artigo 2

Num resumo de uma publicação médica japonesa, pode ler-se:

"O Dr. Makoto Kondo, radiologista da Universidade de Keio, sugere que não devemos lutar contra o cancro desde então:

  1. A deteção precoce do cancro não tem qualquer utilidade.

  2. O cancro divide-se em duas categorias: o cancro verdadeiro e o pseudo-cancro. O primeiro tem grande probabilidade de ser invasivo e já atingiu essa fase quando é detectado nos testes de deteção precoce. O segundo é não invasivo e, por conseguinte, os doentes não necessitam de receber qualquer tratamento médico, exceto no caso do aparecimento de determinados sintomas.

O Dr. Kondo sublinha as provas fornecidas pela medicina e informa-nos da fraca base em que esta assenta.

É de salientar que chegou a esta conclusão após uma profunda reflexão sobre os resultados relativos ao cancro (...) Também desencoraja os doentes que acreditam que o rastreio ou o tratamento precoce do cancro são eficazes."

Artigo 3

Num artigo do japantoday.com podemos ler (entre parêntesis explicações para o artigo):

"A notoriedade pública do Dr. Kondo advém do facto de ser o autor de uma série de livros recordistas de vendas que repetem todos: 'Diga NÃO ao tratamento do cancro'. Mesmo que esses tratamentos prolonguem a vida dos doentes com cancro - o que muitas vezes não acontece - esses tratamentos são tão dolorosos, debilitantes e invasivos, diz ele, que tornam a cura pior do que a doença. O cancro não é necessariamente fatal e, por vezes, é possível viver com ele.

Os médicos oficialistas desprezam-no, mas o público, a julgar pelos grandes números de vendas dos seus livros, está, no mínimo, disposto a ouvi-lo."

(O Dr. recomenda o mesmo para os cancros em animais, que ele próprio teve num dos seus animais de estimação: "Tratamento? Nunca.")

"A melhor coisa a fazer é nada", diz o Dr. Kondo (nem para as pessoas nem para os animais).

Afirma que todos os exames (TAC's, MRI's, endoscopias,...) e tratamentos são "uma ficção".

Há um comentário de leitores que afirma:

"Não é tão extremista como o artigo sugere. De acordo com os seus livros, investigou quais os cancros que podem ser tratados com resultados positivos, quais os que não melhoram com tratamento intensivo e quais os que sobreviveremos um pouco mais e com menos dor sem terapia intensiva. Recomenda o tratamento no primeiro caso. O que critica é o facto de a maioria dos médicos receitar tudo o que está disponível, mesmo quando é inútil. E, nos últimos tempos, a tendência é para aumentar os check-ups com as tecnologias mais modernas, de modo a que, quando encontram algo que um dia pode ser suspeito, tratam-no "por precaução" e prendem a pessoa a um curso de medicamentos anti-cancro para o resto da vida. Mas como não é eficaz, a taxa de mortalidade não diminui. Por exemplo, no caso do cancro da próstata, foram feitas mais operações precoces e muitos homens ficaram impotentes depois disso, mas não viveram mais tempo. E no Japão, não só os doentes não recebem qualquer melhoria na saúde, como pagam muito (30% de um tratamento de cancro pode arruinar uma família) e a segurança social também paga muito.

Artigo 4

Outro sítio Web (com um inglês bastante mau) afirma:

"A quimioterapia pode curar a leucemia, os linfomas malignos, o cancro dos testículos e do útero; e estes cancros representam apenas 10% de todos os cancros."

É pena

É pena que não conheça as descobertas de Hamer, porque assim compreenderia a evolução dos cancros:

O médico

(mais de 40 anos de prática como radiologista)

www.kondo-makoto.com

Ligação a um dos seus livros traduzidos para chinês.

Citação

Excerto da publicação oficial japonesa (texto integral aqui):

"Tendências dos bestsellers.

De acordo com um anúncio da Tohan Corp, uma das duas principais distribuidoras de publicações no Japão, os 10 livros mais vendidos, em todos os géneros exceto manga, no Japão em 2013 (...) foram os seguintes

Isha ni korosarenai 47 no kokoroe (47 pensamentos sobre como não ser morto por um médico), de Kondo Makoto, publicado pela Ascom por 1.555 ienes, incluindo impostos (os outros títulos são iguais).

Um médico especializado no tratamento radiológico do cancro de um famoso hospital universitário privado explica que é necessário que os doentes se distanciem dos tratamentos e medicamentos fornecidos pelos hospitais se quiserem ter uma vida longa e saudável. Um livro estimulante que rejeita os pontos de vista convencionais até agora aceites".



Aqui (no final das páginas) informamos sobre as alterações efectuadas neste site.

Direitos de autor e informações legais